São José de Calasanz

Chaves para a Oração

Chaves para a Oração

1.- Orar no Espírito :

  • dentro de nós habita o Espírito : somos imagem e semelhança de Deus; “Deus tem derramado o seu amor em nossos corações, por meio do  Espírito Santo que ele nos deu” (Rom.5,5);
  • é Ele que nos anima e nos dá vida (Gál.5,25);
  • orar é deixar o Espírito se manifestar e expressar através de nós; ele mesmo ora desde dentro de nós(Rom.8,26);
  • Ele é o mestre da nossa oração; quem vive à escuta do Espírito aprende a orar, guiado por Ele (Jo.16,13);
  • nossa oração, portanto, deve começar com uma invocação ao Espírito.

 

2.- Orar em nome de Jesus :

  • “farei tudo que vocês pedirem em meu nome” (Jo.14,13); o Pai não pode negar nada a quem pedir em nome do seu Filho amado;
  • “pedi e vos será dado” (Jo.16,24); às vezes pedimos sem conseguir nada..., é porque talvez não sabemos pedir bem; não pedimos em nome de Jesus;
  • o jeito é fazer tudo em nome de Jesus, ou seja, segundo a vontade do Pai; é isso que Jesus procurava: “meu alimento é fazer a vontade do Pai” (Jo.4,34);
  • a chave é viver como Jesus e orar em seu nome; o resto ele fará por nós (Jo.14,15); é ele mesmo que vai orar dentro de nós (Gál.2,20).

3.- Como crianças :

  • não sendo como crianças não entraremos no Reino (Lc.18,15-17);
  • a oração não é assunto complicado : é só ter coração de criança, porque Deus é Pai;
  • Deus revela seus mistérios aos pequenos (Mt.11,25);
  • somos filhos de Deus, desde já (1Jo.3,2); e o Espírito nos faz gritar : Pai (Rom.8,16; Gál.4,6-7);
  • então : nos atrevemos a dizer : “PAPAI”, sem máscaras, sem rosto fechado e sério;
  • Deus quer nos acolher como se recebe nos braços a uma criança, com todo carinho (Os.11,3-4);
  • a oração é um convite a deixar-nos amar, a nascer de novo.

4.- Orar humildemente :

  • a humildade nos leva a uma oração mais verdadeira;
  • orar humildemente é orar como um pobre; essa é a oração verdadeira;
  • lembrar da parábola do fariseu e o publicano (Lc.18,14);
  • rejeitar toda preten-são e auto-suficiên-cia; o orgulho não chega até Deus;
  • o pobre é escutado por Deus : “O Senhor escuta a súplica do pobre e lhe faz justiça imediatamente” (Eclo.21,5);
  • é a oração de quem se reconhece serenamente pecador;
  • desde a humildade, Maria pode cantar as maravilhas que Deus fez nela, como humilde escrava (Lc.1,48-49);
  • é a oração de quem se sente frágil, pequeno, e até incapaz de orar; é esta pobreza que abre as portas das riquezas do Reino.

5.- Orar em segredo :

  • “quando você orar, vá para o seu quarto, feche a porta, e ore a seu Pai, que não pode ser visto; e seu Pai, que vê o que você faz em segredo, lhe dará a recompensa” (Mt.6,6);
  • é orar autenticamente, sem buscar aparências;
  • é orar desde o mais profundo do coração, na intimidade do amor;
  • é orar como Maria, conservando a Palavra e meditando-a no íntimo (Lc.2,19-51);
  • quem orar assim, sente o gozo da presença de Deus.

6.- Com perseverança :

  • para orar é preciso “querer orar”;
  • Jesus convida a orar sem desanimar (Lc.18,1);
  • a nossa carne é frágil (Mt.26,41)..., por isso precisamos ser assíduos na oração (Rom,12,12);
  • manter a fidelidade à oração, mesmo nas dificuldades; a chama da fé sempre acesa.

7.- Com todo o ser :

  • orar é olhar para Deus, amando-o; é responder com todo o ser ao amor que Deus nos oferece primeiro (Dt.6,5; Lc.10,27);
  • o corpo também deve ser incorporado à oração, orientando-o de tal forma que tenha participação nela; determinadas atitudes ajudam a integrar melhor o corpo na oração; “toda a nossa vida louve a Deus que nos criou” (Sl.150);
  • é preciso saber olhar, sentir, tocar e saborear as realidades do alto;
  • desta forma, a oração será mais sentida, verdadeira e plena;
  • “Glorificai a Deus com vosso corpo” (1Cor.6,20).

8.- Orar com sentido de Igreja :

  • a oração é pessoal, mas não individual;
  • quem não ora “em Igreja” não aprenderá a orar (Atos 1,12-14); as primeiras comunidades eram perseverantes na oração;
  • a Igreja é o lugar onde escutamos unidos ao Senhor que nos fala e nos diz que nos ama : é aí que nós, unidos, dizemos que o amamos;
  • a oração litúrgica expressa, alimenta e constrói e amor mútuo; a liturgia ilumina nossa vida, enche nosso ser e unifica nossos corações (1Cor.12,12-13);

9.- Orar desde a vida :

  • a vida é uma maravilhosa escola de oração;
  • é preciso saber unificar ação e contemplação;
  • a cidade é barulhenta, agitada..., mas é aí que precisamos orar : essa vida corrida de cada dia tem que alimentar também nossa oração, ela nos oferece mil oportunidades de orar, ela também nos fala de Deus e nos conduz até Ele.

10.- Orar sempre :

  • “orai constantemente, dai graças a Deus em toda ocasião...” (1Tes.5,17; Lc.18,1);
  • quando alguém acredita, acredita a toda hora; quando se ama, se ama em todo momento; a oração, da mesma forma, tem que ser contínua;
  • é questão de aprender a viver afetuosamente sob o olhar de Deus; viver amorosamente com Deus, com um Deus Pai que é ternura;
  • “na noite durmo, mas meu coração está vigilante” (Cant.5,2);
  • “de manhã, ao longo do dia e à noite, penso em ti” (Sl.118,55.62.97. 148.164);
  • “não sou eu, mas Cristo que vive em mim” (Gál.2,20);
  • orar essa bonita e profunda realidade da presença de Cristo em nós, na nossa vida;
  • quem faz tudo por amor, permanece constantemente na oração; a vida toda se torna “ação de graças”, uma espécie de antecipação da própria eternidade.