São José de Calasanz

#Vale a Pena Ser Escolápio

#Vale a Pena Ser Escolápio

Apresentamos o novo espaço do site Escolápios Brasil, #Vale a Pena Ser Escolápio, criado para divulgar o testemunho de religiosos, leigos, voluntários, catequistas, colaboradores, crianças, jovens e tantas outras pessoas que compartilham a missão escolápia de alguma forma.

 

São José de Calasanz inspira-nos a viver os valores cristãos, a transformar a sociedade segundo o Evangelho, renovando a Igreja e realizando o seu sonho de um mundo mais humano e mais justo, onde as crianças e os jovens possam ser educados na Fé e na Cultura. Ser Escolápio é colaborar para a realização desse sonho e é por isso que #Vale a Pena Ser Escolápio!

 

O primeiro entrevistado é também o aniversariante do mês de novembro, Padre José Carlos Fernández, um dos religiosos que impulsiona a missão escolápia em Serra/ES.  José Carlos conta um pouco da sua história de vida e vocação, demonstrando-nos com entusiasmo o porquê vale a pena ser Escolápio. Confira!

 

 “precisamos estar unidos no fundamental: amar e servir às crianças e jovens mais humildes, sendo pobres.” (Pe. José Carlos Fernández)

 

Quem é José Carlos Fernández?

Sou o Pe. José Carlos.

Meu pai queria José, meu avô queria Carlos; assim, ficou José Carlos...

Nasci em Pamplona (Espanha), no dia 5 de novembro de 1963; tenho 50 anos de vida e 25 anos de padre... Que maravilha! Só posso dar graças a Deus por todas as bênçãos recebidas.

Estudei no Colégio dos Padres Escolápios de Pamplona, cursando desde pequeno até o segundo grau; entrei no Noviciado dos Escolápios em Tolosa (Espanha) e a partir daí fui estudando o próprio de Padre, concluindo a Teologia e sendo ordenado Sacerdote no dia 10 de junho de 1989.

Passei os primeiros seis anos de Padre trabalhando em Escolas nossas e animando Grupos de Jovens, voltado, sobretudo para a Pastoral da Juventude e para a Pastoral Vocacional.

E em fevereiro de 1995 fui enviado para nossas missões no Brasil; trabalhei com alegria em BH, aprendendo muito com os Agentes da Pastoral do Menor, com os Catequistas, com as crianças e jovens. E no ano de 2007 fui enviado a Serra para iniciar uma nova fundação dos Padres Escolápios, na qual me encontro neste momento.

 

Como aconteceu o seu contato com a Escola Pia? Como se deu o processo da descoberta da sua vocação de religioso escolápio?

Minha família é profundamente religiosa; o berço familiar e a educação que fui recebendo no Colégio dos Padres Escolápios foram me marcando profundamente. Conheci Padres que até hoje continuam sendo referência em minha vida.

Assim, no contato com Escolápios que me ajudaram muito e apoiado por minha família, a descoberta da minha vocação foi algo muito simples, natural e bonito.

 

Há quanto tempo é religioso? Onde vive atualmente?

Sou religioso desde meus Votos Simples que foram emitidos em setembro de 1982, quando tinha 18 anos de idade. Depois do Noviciado comecei meu processo de formação acadêmica tanto nas ciências humanas quanto nas ciências teológicas.

No Brasil estudei o Mestrado em Teologia, sendo direcionado para lecionar posteriormente na PUC Minas e no ISTA de BH. Em Serra, na nova fundação onde moro atualmente, continuo lecionando na Faculdade Salesiana, na área de Teologia; lecionar, dar aula, ser professor, é algo que me encantou sempre e forma parte de minha vocação escolápia.

 

Relate um pouco da sua experiência pessoal enquanto religioso escolápio.

Minha vida como Padre Escolápio é muito intensa; destacaria algumas das áreas mais importantes às que estou me dedicando neste momento em Serra:

- Por um lado o trabalho como formador de jovens que estão sonhando entregar a vida a Deus como futuros Padres Escolápios; moro em Serra com 7 desses jovens fantásticos. Minha missão como formador supõe estar muito perto deles, acompanhá-los, segui-los, orientá-los.

- Por outro lado, trabalho na Paróquia São José de Calasanz, formada por 10 comunidades muito vivas e animadas. Me exigem muito; nunca tiveram padres presentes, morando no bairro mesmo. A dedicação, o zelo e a caridade pastoral, por cada grupo, por cada comunidade e por cada uma das pessoas que esperam pelo pastor, supõe uma grande e contínua dedicação.

- Também destaco, finalmente, o trabalho socioeducativo desenvolvido no Centro Social São José de Calasanz. Atendemos, educamos e cuidamos a mais de 220 crianças e adolescentes de nossos bairros, em situação de vulnerabilidade social; um grupo maravilhoso de mais de 30 voluntários/as tornam possível esta preciosa missão escolápia. Foi em BH, através do trabalho da Pastoral do Menor, com os voluntários/as das escolas, do centro profissionalizante, e de tantas outras frentes que mantínhamos naquele momento, onde tudo começou e onde eu aprendi a centralidade da criança e do adolescente em minha vida.

 

Como vê o legado deixado por Calasanz?

Hoje, o legado de Calasanz continua sendo algo vivo e atraente no mundo inteiro; de forma especial num país como o nosso em que a população infanto-juvenil é um dos maiores desafios sociais e educacionais.

Calasanz, em nome de Deus, assumiu em sua vida dois princípios que se tornaram também meus princípios de vida: a centralidade da criança e a centralidade do pobre. Esses dois princípios são o maior legado de Calasanz, criando uma Escola que pudesse responder, naquele momento, a esses dois destaques.

Hoje, na Escola Pia brasileira, queremos seguir crescendo guiados por esses dois princípios ou ideais; e estamos animando a muitos adolescentes e jovens a que se deixem também tocar por uma vida como a de Calasanz, voltada para amar e servir às crianças pobres.

Hoje continuamos precisando de jovens generosos que sejam capazes de entregar a vida por algo que vale a pena; ...e ser Escolápio, vale a pena!!

 

Qual o maior desafio que encontrou no Brasil?

A adaptação foi muito fácil e rápida, pois as comunidades, o povo de BH, de Valadares e agora de Serra, me acolheram, em todo momento, com imenso afeto, preocupação e carinho.

Meu desafio é me tornar pobre para os pobres. Esse foi e sempre é o maior desafio de minha vida: amar e servir às crianças e jovens mais humildes, sendo pobre.

 

Que mensagem deixaria para os jovens que estão em processo de discernimento para a vida religiosa?

A mensagem é de profunda esperança, pois estamos percebendo que existem jovens que se questionam sua vida, e se perguntam qual pode ser a melhor forma de transformar este mundo, de ajudar a construir um mundo mais humano e solidário. Jovens que encontram na vida e no Carisma de Calasanz uma forma preciosa de entregar sua própria vida.

Com esses jovens só posso pronunciar a frase de Calasanz: “Encontrei a maneira definitiva de servir a Deus, educando as crianças pobres, e não a abandonarei por nada deste mundo”.

Me sinto feliz, muito feliz, de estar animando esses jovens no caminho de Calasanz; não precisamos ser muitos (nunca o fomos!!); precisamos estar unidos no fundamental: amar e servir às crianças e jovens mais humildes, sendo pobres.

 

Comente as frases "evangelizar educando" e "educar evangelizando".

O Carisma que Calasanz viveu e nos deixou é expresso por essa frase: “evangelizar educando”; hoje, a evangelização continua sendo a primeira e fundamental missão da Igreja no mundo: tornar Jesus conhecido e amado.

Nós, os Padres Escolápios, inseridos dentro da nossa Igreja, assumimos como próprio de nossa vida e missão a evangelização, especialmente das crianças e dos jovens mais pobres. E nossa forma de evangelizar é através da educação, a qual a consideramos a melhor ferramenta para a missão de evangelizar e de transformar o mundo.

A afirmação “educar evangelizando” acentua a ação de educar e expressa, complementando a anterior, que transmitir Jesus e sua Boa Notícia é a melhor forma de educar.

Nossa vida e nossa missão formam o ser Escolápio; anseio que muitas pessoas, sobretudo os jovens, possam nos conhecer profundamente para encontrar seu lugar definitivo dentro da nossa família Escolápia nesta história na qual nos encontramos a caminho da Casa do Pai.

 

Agradecemos imensamente ao Pe. José Carlos pela disponibilidade, carinho e atenção. E desejamos-lhe, neste dia tão especial, toda saúde, paz e alegria. Feliz Aniversário!